Nos primeiros tempos a mãe estará muito mais próxima do bebé, já que é ela que trata dele, que o amamenta, que passa mais tempo com ele. O pai pode sentir-se excluído desta intimidade entre mãe e filho, mas é importante encontrar o seu lugar na família e partilharem igualmente as alegrias e as responsabilidades de ter um bebé.

Uma boa forma de começar a fazer isso, é integrar o pai nas tarefas do dia-a-dia, como por exemplo, mudar a fralda, ajudar a arrotar, dar banho, etc, que também propiciam os momentos de carinho e diversão. Os momentos a sós com o bebé ajudam o pai a desenvolver a sua auto-confiança e a tornar-se mais seguro das suas capacidades de cuidador. Inevitavelmente, pai e filho acabarão por criar um laço profundo, que se fortalecerá ao longo do tempo.

Tanto a mãe como o pai estão a aprender a cuidar do bebé e essa aprendizagem conjunta pode uni-los mais ainda como casal, para além de trazer vantagens para todos. Para o bebé, que tem duas pessoas igualmente disponíveis para cuidarem dele e o amarem. Para a mãe, que assim tem mais tempo para si. Para o pai, que se sente útil e desejado.

É importante não esquecer que a partilha deve ser total, ou seja, não apenas as tarefas mas também os momentos de brincadeira. E, igualmente importante, é lembrar que também são um casal e que a vida a dois não deve ser relegada ou esquecida