Para que se dê um parto por via vaginal (chamado parto normal) é necessária a ocorrência de 2 fenómenos em simultâneo:

  • A dilatação do colo do útero (até aos 10 cm)
  • A descida do feto ao longo do canal de parto

As contrações uterinas são as principais responsáveis pelo progredir do trabalho de parto, sendo por isso essenciais. No entanto, são dolorosas e, por vezes, difíceis de tolerar. Atualmente, existe a possibilidade de realizar epidural que consiste numa analgesia loco-regional realizada através da administração de fármacos anestésicos/analgésicos no espaço epidural (na coluna) permitindo um alívio significativo da dor.

O trabalho de parto pode durar longas horas, em particular, nas grávidas que serão mães pela primeira vez. Durante este tempo as grávidas devem ser vigiadas e o feto deve ser monitorizado (geralmente através do CTG) para que se detetem atempadamente situações de potencial sofrimento fetal.

Quando se atinge a dilatação completa deve aguardar-se pela descida do feto no canal de parto. A determinada altura a grávida é instruída a realizar esforços expulsivos. Por vezes, é necessário realizar episiotomia, ou seja, fazer um corte no períneo de modo a facilitar a expulsão.
Quando esta expulsão não ocorre naturalmente pode ser necessário instrumentar o parto usando fórceps ou ventosas. 

Quando o bebé nasce é colocado em cima do ventre materno e posteriormente corta-se o cordão umbilical. Em seguida, dá-se a expulsão da placenta (dequitadura).

Existem determinadas situações clínicas que obrigam à realização de uma cesariana, no entanto, esta deve ser entendida como uma solução de recurso. As cesarianas são cirurgias e associam-se a um maior risco de complicações quando comparadas com os partos por via vaginal. Estas intervenções podem ser realizadas com epidural podendo a grávida ficar acordada durante o procedimento permitindo um contato imediato com o recém-nascido.


Este é o momento mais esperado e também o que causa mais ansiedade à grávida. Conheça todos os sintomas e esteja atenta aos sinais que o seu corpo lhe dá. Prepare-se para o grande momento, com serenidade, e torne-o num dos dias mais especiais da sua vida: em breve, terá o seu bebé nos braços!